terça-feira, 9 de abril de 2013



O sentimento amanhã pode ser diferente mas hoje, em todo o meu ser, reside uma vontade gigante de sentir em mim tudo e todos. Essa vontade instalou-se e fez-me sentir a falta dos que se perderam pelo caminho, dos que estão afastados fisicamente pelas circunstâncias da vida e até dos que estão sempre presentes e teimo em desvalorizar. A vontade, que deve vir da paz que se instalou, não me permite sentimentos desagradáveis. Quero perdoar tudo e todos. Quero resolver as dúvidas, quero provocar reacções, quero organizar-me. Então o telemóvel e as redes sociais são dois dos grandes aliados que me permitem chegar aos que estão mais longe. A voz e os olhares oferecem tempo e dedicação àqueles que estão mais perto. Os livros que vou devorando, com temáticas minuciosamente escolhidas, fazem-me crescer e avaliar-me. O que demais não pode ser transmitido àqueles com quem não podemos contactar, também têm o seu espaço e o seu tempo. Ficam eternizados numa espécie de diário secreto que não tem qualquer pretensão de se tornar público. Todas as experiências e todas as pessoas que deixaram marcas fazem parte de nós e é uma pena que algumas tão importantes se tenham desvalorizado, se tenham perdido, se tenham banalizado quando tinham todo o potencial de fazer a diferença e marcar para sempre. Até a essas quero dedicar o meu sentir desmesurado de hoje. Porque quando o sentimento não cabe dentro do peito pode ser usado para transformar a mágoa e a tristeza em nostalgia bonita, em recordação infindável. E hoje todo o meu ser é feito de sentimento. Estarei a regressar ao mais íntimo de mim, ao que sempre fui?! Oxalá!*

3 comentários:

Helena disse...

rosinha cruz disse...

O coração cheio de bons sentimentos e todo de bom:)
Beijinhos

From now on, please, call me Tinkerbell* disse...

Que voltemos à essência... é tudo o que peço! :) *