quarta-feira, 30 de julho de 2014

Bom, bonito e barato!



Apetecível!

terça-feira, 29 de julho de 2014


(...) Espero que apareças e me digas que me amas, baixinho. Sussurra para que mais ninguém oiça. Só eu e tu: parceiros de crimes de cabeceira, amantes condenados a um amor quase épico. Só eu e tu. Volta para mim. |PedRodrigues|

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Alma gémea: já encontraste a tua?!


(...) Quando duas almas gémeas se abraçam, sente-se o alívio imenso de não ter de viver. Não há necessidade, nem desejo, nem pensamento. A sensação é de sermos uma alma no ar que reencontrou a sua casa, que voltou finalmente ao seu lugar, como se o outro corpo fosse o nosso que perdêramos desde a nascença. |MEC|

Que maravilha!




Já aqui mostrei o meu agrado e encanto por este puto de 20 anos que, maravilhosamente bem, interpreta músicas que adoro! Chego a arrepiar-me quando aquele vozeirão é emitido. Mas ontem, a doçura e força deste momento, foi o que mais me marcou. É completamente maravilhoso e faz a alma levitar de tão simples e transcendente que é. Não ganhou o programa mas teve a oportunidade de marcar a vida daqueles que apreciam boas músicas e excelentes interpretações. Que nunca lhe falta a coragem e a ousadia de chegar mais longe. Luís, foi um prazer descobrir-te!

domingo, 27 de julho de 2014

Porque hoje é Domingo!




Come, Thou Fount of every blessing,
Tune my heart to sing Thy grace;
Streams of mercy, never ceasing,
Call for songs of loudest praise.
Teach me some melodious sonnet,
Sung by flaming tongues above.
Praise the mount, I'm fixed upon it,
Mount of Thy unchanging love.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

FACTO #150



FACTO #149


Há pessoas que te tentam mostrar que têm uma óptima vida - ostentam dinheiro e posses, passeiam corpos esbeltos e roupas atraentes, partilham fotos de viagens perfeitas e férias de sonho. Não lhes ligues - sofrem na busca da felicidade que tentam mostrar aos outros.
Há pessoas que te tentam mostrar que têm uma vida desgraçada - mostram azares e desamores, vendem histórias de traição e miséria, sublinham a injustiça com que são tratados pelos outros. Não lhes ligues - sofrem com medo de terem dentro de si mais do que o pouco que mostram valer.
Há pessoas que não te tentam mostrar nada, seguem com as suas vidas simples, fazendo felicidade a cada momento, aproveitando cada situação para sentir e crescer. Observa-as, faz-lhes perguntas, modela-as. Essas são aquelas com que vale mesmo a pena aprender!


terça-feira, 22 de julho de 2014

Recriar a magia da infância!



O Pequeno Príncipe existe e está à espera de visitas, ali para os lados da fronteira entre França/Alemanha. Vamos criar laços com a nossa infância, cativar a nossa meninice, preparar o coração para sermos um pouquinho mais felizes? Acabei de juntar um item à minha "To do list". Maravilha!

quinta-feira, 17 de julho de 2014

FACTO #148


Estarmos preparados para os erros que cometamos dá uma tranquilidade impagável diante da vida porque, na verdade, a perfeição é termos a certeza de que iremos errar e poderemos errar com perfeição, ou seja, na atitude certa. E isso é muito bom. Por isso é que herrar é umano.


terça-feira, 15 de julho de 2014


As críticas negativas, aquelas que são dedos apontados aos defeitos que sabemos que temos, doem. Tentamos mostrar que não, que somos fortes e que nos passam de raspão mas o que é certo é que magoam. Da primeira vez que dizem friamente que tens "problemas emocionais", sem um pingo de compreensão no olhar, dilaceras-te por dentro. Entras num choque de realidade, mesmo que saibas que de alguma verdade se trata, uma vez que o som de tal dureza faz mossa no coração e na alma já desgastados. Questionas-te durante meses que fizeste tu de tão louco, de tão absurdo, de tão surreal para que, à face do que conhecem de ti e do teu passado, te acusem tão injustamente. Questionas os teus, um por um, como se de uma obsessão se tratasse. A resposta, surpreendentemente, é diferente daquela que te querem fazer crer. Mesmo assim não acreditas e precisas de uma amostra considerável, não vá a tua baixa auto-estima e a tua insegurança fazer-te pensar que é tudo amabilidade de quem tem medo que te desfaças em cacos. Mas não é. Por estranho que pareça, os mesmos inquiridos que respondem positivamente são aqueles que fazem críticas a detalhes que querem ver mudados, sim, mas com a particularidade de oferecerem soluções e transbordarem amor, paciência e disponibilidade. Refazes-te, dia após dia, entre obrigatoriedade de registares ganhos e perdas que visam melhoras. Lês e aprendes, conheces e dás a conhecer. Investes em ti e sabes que estás longe, muito longe da perfeição. És mais amarga e desconfiada, mais solitária mas mais feliz, com mais paz e tranquilidade. Mais dependente da família da qual eras independente e independente daqueles que só estão presentes às vezes. Reergues-te. Percebes que não te podes deixar afogar num mar de exigências que se dão num só sentido. Libertas-te do peso do que não serve mais. Até que te voltam a acusar do mesmo. Desta vez não são os olhos sem piedade, é mesmo a voz. Entristece-te novamente a falta de alternativas dadas. Entristece-te uma acusação sem apoio para a mudança. Entristece-te que se crie uma verdade em minutos, sem olhar para o todo de que se tem conhecimento. Já dizia o sábio que só devíamos apostar em críticas positivas. Deitar abaixo todos conseguem... agora ajudar a reerguer, amparar na luta, dar o braço e o peito como apoios para o caminho é que é mais difícil. Não te sentes dilacerada com o comentário porque és uma pessoa bem diferente do que eras, que ao longo do caminho foi ganhando maturidade e discernimento e já não se coloca em causa por tão pouco. Não deixando de te sentires um pouco desiludida e triste, claro está. O sentimento pode ser recíproco, não duvidas, mas há acusações que, com um pouco de amor e cuidado ao serem abordadas, têm tudo para correr bem e surtir efeito. Já o contrário não é tão viável. Sentes-lhe a falta, é um facto, mas ainda estás muito magoada, sem perceberes porque é que preferem sistematicamente acusar-te a apoiar-te. Um dia saberás pequena. Um dia!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

She!



sexta-feira, 4 de julho de 2014

Habemus Bispo!


4 meses depois da dor maior da partida, eis que surge um novo nome para orientar a vida da Diocese Aveirense. Quer dizer, o nome é semelhante, já que é de António que se trata, mas o resto da composição até surge com a particularidade de rimar com Aveiro: António Manuel Moiteiro Ramos. É este o homem que, vindo de Braga onde era auxiliar, foi nomeado por Francisco, o Papa, para continuar a Missão da minha Diocese. Não lhe conheço a garra, nem tão pouco a forma de ser e de estar. Mas tenho esperança. Não é fácil desprender-nos da imagem de D. António Francisco, cujo nosso nome sabia sempre, cujo sorriso acalmava e cujas palavras traziam sempre um carinho à alma mais perdida. Mas, como digo, tenho esperança e aguardo o primeiro contacto. Será recebido com cortesia e entusiasmo próprio das minhas gentes mas com desconfiança inicial, natural daqueles que se tornaram órfãos num auge de evangelização. Que seja uma jornada produtiva esta que se inicia. Vindo de um António, cujo apelido rima com Aveiro, eu espero o melhor. Seja bem vindo senhor Bispo!