segunda-feira, 8 de abril de 2013

Quando as forças te faltarem... Lembra-te!



Uma espera obriga a suportar todo o tipo de ataques, exteriores e interiores. As esperas doem. As esperas fazem sofrem. Quando vivemos na paciência, somos senhores da renúncia e escravos da liberdade… optamos por uma guerra profunda contra o pior de nós mesmos. Numa tranquilidade aparente que raras vezes permite adivinhar o heroísmo que nos vai dentro.
As esperas permitem descobrir e filtrar entre os homens aqueles que têm maior valor… são os que ficam, quando os outros, entretanto, se foram – levados por uma força qualquer daquelas que se alimentam das nossas fraquezas.
(...)
A esperança é a arte da espera. Há que ser paciente perante a dúvida, diante da pressa, face a face com os pesadelos reais.
O homem paciente vive acima do seu sofrimento. Constante na sua firmeza, sofre mas faz o seu caminho para diante. Carrega a vida e a dores com as suas esperanças, numa paz que é a suprema coragem.


2 comentários:

rosinha cruz disse...

o amor tem o poder de tornar tudo grandioso.
Beijinhos

From now on, please, call me Tinkerbell* disse...

Queria que essa grandiosidade me atingisse... Sinto que me faz falta amar sem reservas, sem restrições! :)