segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Chuk Sung Tan ♥ #50



Sente-se Natal em cada acorde! 
Que maravilha, que talento, que magia.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Chuk Sung Tan ♥ #49



E o resultado final foi este: 
o pinheiro mais endiabrado deste Natal!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Chuk Sung Tan ♥ #48



Há uma grande chance que esta foto, de David Fonseca vestido de pinheiro de natal, seja um preview do que está para surgir amanhã: o lançamento, para o mundo virtual, da sua canção de natal. Estou ansiosa... e divertida só de imaginar!

Empreendedorismo.



A Acredita Portugal continua com candidaturas abertas para a 5ª edição dos Concursos de Empreendedorismo.

Estão disponíveis dois perfis de concursos:
  • Realize o Seu Sonho para ideias nas áreas de comércio e serviços, indústria e empreendedorismo social: www.oseusonho.org.
  • InovPortugal para projectos de ruptura, inovação tecnológica e ambição global: www.inovportugal.org.
São disponibilizados 500.000€ em prémios, mais 50.000€ em investimento.
Processo de inscrição em 30 segundos e inscrições gratuitas até 21 de Dezembro. Cada participante pode inscrever até 3 ideias. Porque não arriscar?

No ano passado concorri com uma ideia, ficando dentro das 1.500 melhores ideias das mais de 14.000 inscritas. Foi um risco desafiante, onde cresci muito enquanto projecto de empreendedora e onde percebi que ainda há muito conhecimento pela frente, no que respeita a conhecimentos sobre este tema. Com a ajuda das ferramentas dispensadas e dos workshops dei um passo enorme rumo ao futuro que acredito ser o melhor para mim e para a minha sociedade. Este ano já me inscrevi novamente... agora com 3 ideias! Sou louca mas sou feliz! Arrisquem também. 

domingo, 14 de dezembro de 2014



O verdadeiro desafio da minha vida, a verdadeira dificuldade, sou eu mesmo. Sempre fui eu. Do que me lembro sempre senti medo. Medo de falhar. Medo de decepcionar as pessoas. De magoar as pessoas. De ser magoado. Pensei sempre que se mantivesse a guarda alta, se me concentrasse em outras coisas, em outras pessoas, nada me magoaria. Eu estraguei tudo. Não só me livrei da dor como me livrei de tudo o resto, incluindo as coisas boas... até não sobrar nada! Está tudo bem com o facto de se querer viver o agora. Mas a melhor parte de se viver o agora é que haverá mais amanhã. E eu farei valer a pena. Prometo. 

sábado, 13 de dezembro de 2014

Terminal.


Perdoa-me a ousadia mas és tu o grande culpado pela minha "não dedicação". És perito em sabotar os meus sentimentos, fazendo deles chacota e usando a teu bel-prazer. Já lá vai o tempo em que fazia de conta que não via o desinteresse a abismar-se no meu peito, como se o pudesse evitar se não o assumisse. Sempre soube que o motivo foi o golpe de mestre que me infligiste no dia em que me asseguraste a impossibilidade de futuro. A minha mania de viver diferente, de acreditar em causas perdidas e de ter sempre esperança na mudança positiva do universo e da humanidade desenvolve em mim uma espécie de estupidez que me deixa, tantas vezes, inerte. A diferença de há 6 anos volvidos para os dias de hoje é que me estou pouco a borrifar para a tua partida ou permanência que, tantas vezes, se unem para me confundir. Metades não me bastam, é uma certeza, mas sou um pouco lenta no assumir dessa aprendizagem. Há um tempo e um ritmo próprios para cada situação na nossa vida. Esta tem sido arrastada por tempo demais. A cada nova tentativa, uma necessidade de encontrar um caminho novo, mais belo e justo. Não temos sido bem sucedidos. Metemo-nos em atalhos, renovando a esperança em resultados diferentes exactamente com o mesmo lema de vida. Tristes. Por muito que nos custe aceitar FIM é mesmo o que nos espera. E não faças de conta que não sabias. A idade trouxe-me paciência, por incrível que pareça, para aprender a saber esperar mas talhou-me de uma impaciência imensa para perdas de tempo desnecessárias. E esta situação é, sem sombra de dúvidas, uma perda de tempo desnecessária. Não vejo qualquer tipo de vantagem em prolongar um estado terminal. Adiar um fim certo não o impede de acontecer, antes causa uma dor mais aguda e intensa, aliada de frustração da constatação repetida. Deixa-te disso! Esquece o prazer momentâneo. É fugaz, ludibrioso e irreal. Mata-te a fome por minutos, não te impedindo de voltares a ficar faminto quando termina. Pára de me arrastares contigo para isso, para esse modo de vida com o qual não me identifico mas ao qual sucumbi sem me aperceber bem como. Diminui a velocidade, dá-te tempo, cresce e centra-te no que queres para o teu futuro. Quando nos ensinaram o Carpe Diem, não nos mandaram ser suicidas de sentimentos, homicidas de sonhos nem tão pouco violadores da humanidade do semelhante. A sábia certeza de que não duramos para sempre devia levar-nos a viver vidas melhores, optimizadas, com base em ideias e ideais que valorizamos e defendemos, não uma vida de quantidade de momentos e pessoas, como se de uma colecção se tratasse, em vez da qualidade do sabiamente escolhido. Acabaste de dar o maior tiro no pé de que há memória! Isso ou eu finalmente cansei-me das tuas balelas, parco interesse e dedicação. Há ciclos que têm que ser fechados, para bem da nossa sanidade mental. Peço desculpa mas tu és um deles. 

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Movimento.



Um filme para qualquer tipo de crença... e até mesmo falta dela. 
Vale (muito!) a pena pensar sobre isto!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Arriscar.


Vá, arrisca. Comete o teu golpe de asa. Aceita percorrer caminhos menos conhecidos. Sai do teu círculo de conforto. Arrisca. Só os grandes aventureiros têm a essência límpida como cristal. Só os grandes aventureiros têm grandes histórias para contar.

Sol de Inverno.



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Príncipe.



Outubro'15, num cinema perto de si!

Fé.


The weight you carry on your shoulders is much too heavy for one human being. Give some of that weight where it belongs, - to God, and have faith that what happens is for the best, whether you understand it or not.

Sonhar.



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

domingo, 7 de dezembro de 2014

Simplicidade.


Quando alguém faz depender do teu comportamento o seu amor por ti... Então, por definição, não te ama incondicionalmente! | Pedro Vieira

Querer.


(...) colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. | Às 9 no meu blogue

sábado, 6 de dezembro de 2014

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Salvar, amando.


Não podemos ser o super-herói de alguém que está perdido. Não podemos curar alguém que está quebrado. Não podemos completar alguém que está incompleto. Não podemos realmente salvar alguém. Por muito grande e sincera que seja essa vontade de o fazer. Tomar para nós essa tarefa é uma luta inglória da qual dois seres saem exaustos e confusos. Algumas batalhas têm de ser travadas dentro de nós. Não podemos salvar alguém, podemos apenas amar alguém. Amparar a queda, secar as lágrimas, oferecer o calor de um abraço… e esperar que essa pessoa encontre em si, um dia, a vontade de se curar. Podemos apenas amar alguém… e esperar que aprendam a amar-se também. | Crimes Perfeitos

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Caminho.


Na vida, não te envolvas a meio tempo, não queiras pela metade, não aprendas a dar a meio gás, não te apaixones de outra forma.
Dá sempre o melhor de ti e fá-lo com o coração todo.
Acredita que um dia o teu «santo» bate de frente com o de alguém como tu. Com a mesma paixão e a mesma gratidão pela vida. Acredita que um dia vais viver o teu plural, com o coração todo e com o único entusiasmo que conheces e sabes que resulta: sem meio termo. (...) | às 9 no meu blogue

Real.


(...) Às vezes as pessoas, porque é sempre mais fácil viver à superfície do que supor e respeitar a profundidade desconhecida das coisas, perdem-se no caminho que vinham fazendo até nós. E um dia, com tantas encruzilhadas que tem a vida, desencontramo-nos irremediavelmente delas e deixamos de ter vontade de as encontrar de novo.
Às vezes as pessoas fazem dos outros um espelho de si próprias e tomam a nuvem por Juno. Estão enganadas e é pena. Ou talvez não! | Deixa entrar o sol

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Perdas.


Há dias tristes e altamente pesados. Daqueles que nos cansam as forças e a esperança. Onde reina o desânimo e a descrença na justiça terreno-divina. Restabelece-se energias durante um fim de semana, em jeito de lufada de ar fresco, para iniciar a semana com uma carga muito maior do que aquela que esperávamos ter de carregar. São perdas irreversíveis que se instalam e nos desalentam a alma, mesmo não estando implicadas pessoas do nosso sangue. De forma inconsciente e extremamente rápida, chega-nos à mente recordações dessas mesmas pessoas que partiram e/ou dos seus entes queridos. Se por um lado se entende a necessidade de extinção do sofrimento, por outro não se aceita a forma galopante como tudo se desenrolou. Se se consegue aceitar, com alguma paz e serenidade, a partida de alguém com uma vida recheada de décadas memoráveis, o mesmo não se pode dizer de um jovem adulto aprisionado e condenado pela doença da moda. O coração exalta-se e questiona. Há um nó que se instala na garganta. Repensa-se, mais uma vez, o que é importante. Redirecciona-se o foco. Lamenta-se o tempo desperdiçado com quem não vale a pena e com situações que deviam ser ignoradas. Um vazio apodera-se do peito. Constatamos, pela enésima vez, a pequenez que nos caracteriza. Surge a necessidade de nos aninhar, sem tempo definido, nos braços de alguém que nos proteja desta dor miudinha. Mas quando isso não é possível, permitimos que algumas lágrimas nos escorram pelo rosto, respiramos fundo, cerramos os dentes, batemos punho e tentamos reerguer-nos. São lutas injustas, que não podemos controlar e tão pouco contribuir para que o desfecho seja diferente. Mas podemos sempre relembrá-las e perpetuá-las, podemos aprender com o seu exemplo de luta, podemos ambicionar uma vida mais fiel ao que somos e queremos alcançar. Assim tudo fica um pouco mais simples, um pouco mais tolerável. A morte fica um pouco menos pesada... na esperança de que de amanhã em diante, a falta se torne, aos poucos, mais suportável! 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Persistência.


(...) se aceitares cada um que encontras no caminho como professor, se estiveres preparada, acima de tudo para encarar (e perdoar) algumas realidades bem difíceis sobre ti mesma… então a verdade não te será negada. |Comer, Orar, Amar|

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Fé(licidade).


(...) o que todos procuramos é uma razão para sermos felizes... por entre todas as que nos fazem sofrer. |imissio|

Ela.



quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Nosso.


(...) Há dias em que podemos até nem saber muito bem o que queremos, mas temos a certeza absoluta do que não queremos. São estes os dias de absoluto existir, daquela serenidade tão boa, daquela força de viver com paixão, de aprender a saber esperar e confiar que tudo o que é nosso acaba por vir ter a nós. No tempo certo. |às 9 no meu blogue|

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Não.



Evangelho.


O medo fecha-nos em nós, no que somos capazes de dar e de nos dar. (...) Quem confiar acredita que alguém é FIEL e acredita nas suas capacidades, dons e talentos. O medo tolhe-nos. A confiança liberta e dá vida.

domingo, 16 de novembro de 2014

Egoísmo.


(...) O sofrimento faz parte da vida. Não fuja dele. Aceite-o, enfrente-o e partilhe a sua luta e os resultados dela. Quaisquer que sejam. Quem não estiver consigo nos piores dias talvez não seja o ideal para os melhores, porque estará a utilizá-la a si como um meio e não a amá-la como um fim. Os egoístas são assim, especialistas na arte de fingir amor. Não tente sequer desmascará-los, pois o mais provável é que a convençam que de que o egoísmo é seu e não deles. Mais, eles acreditam mesmo nisso! É assim que sobrevivem! Mestres no jogo dos enganos. Enganam-se até a si mesmos. |iMissio|

sábado, 15 de novembro de 2014

Vida.



15 anos. Uma luta diária pela vida. Hoje, um peito aberto, em plena UCI, na luta mais árdua até ao momento. Um rosto reservado de menino homem. Uma altura que me ultrapassa e é capaz de me abafar. Um coração enorme por detrás de um sorriso tímido. Coração esse que se encontra cansado. É só mais um bocadinho de resistência. Por favor. Não desistas agora.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Creepy is the human being that ignore a hungry brother!



E quem menos tem é quem mais dá. Sempre foi assim. Sempre será. Pelo menos enquanto houver lembrança da dor que as vicissitudes da vida provoca na alma e na dignidade do ser humano. Resta a certeza de que todas, mas mesmo todas, as acções desinteressadas e honestas têm a sua recompensa... nem que seja em forma de paz de espírito!

quarta-feira, 29 de outubro de 2014


A minha farmácia encontra-se em obras de remodelação. Estão a dar-lhe uma nova cara, por assim dizer. Pois bem... o pintor em causa é surdo, com muitas dificuldades na fala, mas um profissional exímio. Só que isto das limitações tem os seus contras. Quando ele anda encavalitado no telhado, a fazer asneira da grossa para quem passa cá em baixo, é um papelinho para o chamar à atenção. Depois também não é muito dado à inteligência global, pelo que está no seu mundo e pouco se preocupa com o que o rodeia. A juntar às peripécias diárias deste pintor, estão os trabalhadores das estradas de Portugal. Trabalho nesta farmácia há quase 3 anos e já vi a rua ser esburacada para cima de 10 vezes. E, pelos vistos, deve estar para durar. Enfim. Mas vamos ao que interessa. Hoje fui almoçar às 14h. Os obreiros do alcatrão estavam a iniciar o trabalho de colocação do tapete de alcatrão. De realçar que estavam a trabalhar em cerca de meia dúzia de metros. Coisa pouca, portanto. Ao regressar de almoço, chego ao cruzamento que me leva para a Farmácia e os queridos, no seu descanso habitual, informam-me que o alcatrão está muito quente e eu não posso passar. Fiquei verde. Tive que estacionar longe porque 2h é pouquíssimo tempo para tratar de meia dúzia de metros. Como referi, vinha a bufar, com ar de quem ia trucidar alguém se lhe dessem livre acesso ao cilindro. Vou eu descansada, a confirmar se tinha o telemóvel e a pegar na chave correcta para abrir a Farmácia quando me espeto contra uma placa de passagem de um andaime. Abananei. Imediatamente os óculos saíram da minha cara e um jacto de sangue me escorreu pela cara abaixo! Sim, eu sou muito despistada e a placa é grande mas não estava lá quando eu saí e muito menos é de alguém inteligente colocar aquilo em frente a uma porta de entrada! Disse quantas caralhadas consegui mas ele, o pintor surdo, não me ouviu, como é óbvio! Não foi preciso levar pontos, benzadeus, e eu só descansei quando o interceptei, ao descer do telhado, para gesticular muito e dizer-lhe que estava ali uma bela merda no meu sobrolho! Passei a tarde agarrada a uma placa fria, estou aqui com o sobrolho inchado, corro o risco de amanhã parecer ter sido vítima de violência doméstica e volta e meia atingem-me umas fisgadas agudas de dor. Quando pedi animação na minha vida JC, não era bem disto que estava a falar. Orienta-te!

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Hope.



A esperança é uma superação da realidade. É esperar sempre a coisa maior. É contra todas as evidências, confiar que a vida vai-se expandir em possibilidades nunca antes previstas ou imaginadas. A esperança nada tem que ver com o optimismo, esse copo meio cheio e meio tonto. Ela parte de razões muito mais fundas, que não vacilam mesmo nas dificuldades. Ela permanece, porque está assente na convicção inquebrável que independentemente do que aconteça pode sempre nascer uma coisa melhor das condições presentes. |às nove no meu blogue|

terça-feira, 21 de outubro de 2014

FACTO #158


Aprende, sobretudo, a ter fé em ti e na tua força. E crê que essa força que tens não foi conquistada a levantar pesos, mas a levantar-te a ti mesmo de todas as vezes que te derrubaram.|às nove no meu blogue|

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Daniel Serrão.


Soube há pouco que Daniel Serrão foi atropelado e se encontra em estado grave, depois do embate lhe ter causado um traumatismo cranioencefálico. Estou perturbada, como fico sempre que alguém sofre um atropelamento, exactamente com este diagnóstico. São traumas! 86 anos de uma vida de ensinamentos fulcrais para o desenvolvimento da sociedade. Da última vez que privei com ele foi num congresso sobre envelhecimento activo, em que ele defendia com todas as suas forças a necessidade da sociedade apostar num envelhecimento com qualidade. Sempre lhe senti um entusiasmo com a vida, nunca um pesar associado à idade. É o que chamo de espírito jovem. E agora estou com medo das consequências deste acidente gravíssimo. Não consigo sequer imaginá-lo a viver privado da sua independência. Eu sei que são situações da vida, azares como outros tantos, mas esta situação faz-me reviver a conversa sistemática dos domingos em que o meu avô: "antes a morte que viver feito vegetal e depender de terceiros!" Que a medicina, que tanto amou, esteja com ele e o faça voltar ao que de melhor sabia fazer: inspirar o Homem a viver com saúde, qualidade e, principalmente, feliz!

FACTO #157


(...) e depois? depois, a tempestade vai. a energia acaba, as lágrimas secam, como a chuva que acabou. e a tempestade vai embora, lentamente, leva as nuvens pesadas atrás e deixa de novo o que sempre lá esteve: o céu limpo, imenso, e a nossa eterna lua. porque é igual no amor: as únicas coisas que temos por certas, não são as que passam por momentos, mas as que se sabem que estão lá sempre. imponentes. | [momentos]

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Como se restabelece a fé e a esperança na humanidade e no mundo?!



Fazer o bem, lutar com a própria vida para defender o Homem e os seus direitos, querer mudar o mundo para melhor, não abdicar de princípios nem valores, favorecer o próximo. Vale a pena viver desta forma, vale a pena lutar no campeonato do bem! Felizmente. Inspiremo-nos, pois então!

sábado, 4 de outubro de 2014

FACTO #155


Posso não ter onde pousar a cabeça, mas ainda assim, não deixarei nunca de ter a obrigação de sonhar, lutar e ser feliz. Amando. Apesar de tudo. | #tãoverdade

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Fãs de The Walking Dead e outros humanos que queiram ajudar o próximo e ainda ganhar prémios: aprocheguem-se!



A Fox voltou a unir-se ao Instituto Português do Sangue e da Transplantação para promover a recolha de sangue e angariar novos dadores. Com uma boa estratégia de marketing, vão situar, aquando da estreia da nova temporada, Blood Store's não só em Lisboa mas também de norte a sul do país. Assim, durante os fins de semana de Outubro, podes trocar o teu sangue por comprovativos que dão direito a prémios The Walking Dead. Fórum Algarve (11, 12, 13), Fórum Almada (17, 18, 19), Fórum Aveiro (24, 25, 26) e Espaço Guimarães (31, 1 e 2 Novembro) foram os locais seleccionados para a campanha que visa alertar e sensibilizar para uma causa enorme que é a necessidade de manter viáveis os bancos de sangue dos nossos hospitais. Vamos todos aderir!  


segunda-feira, 29 de setembro de 2014


A contrapartida de se ser uma pessoa demasiado positiva, compreensiva e naturalmente divertida é o facto de não se dignarem a tolerar e a consentir que tenhamos dias de neurose, em que somos amargos e irritantes. Parecem virgens ofendidas, como se não nos fosse permitido ser humano. Questiono-me seriamente se valerá a pena tamanha entrega, tamanha diferença, tamanho entusiasmo se, ao mínimo deslize, somos logos acusados de pecado capital. Mal habituados, é o que é!

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

FACTO #154


Duas coisas nos definem: a nossa paciência quando não temos nada, e a nossa atitude quando temos tudo.

domingo, 14 de setembro de 2014

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Tentativa de exorcizar uma manhã mal iniciada!


É. Um micro cartão SD pode causar-nos uma irritação de tal ordem que quase, leia-se quase, nos tira a necessidade de um excelente amanhecer, depois de uma noite de sonhos estranhos, confusos e asmáticos! Como acção gera acção, eis que é o dia de aparecerem os utentes complicados... todos de rajada que é para testar a minha paciência logo pela manhã. Depois irrito-me comigo mesma por dar tempo de antena a problemazitos, coisas sem importância que nem deviam ser apelidados de tal e vasculho um sorriso para oferecer à amargura que me calha em sorte no utente seguinte. Voltando ao cliché da acção que leva a outra acção no mesmo comprimento de onda eis que surge esta inspiração. Sabem que mais? Já ponderei menos o ano sabático, a caminhada sem destino, o chamamento da vida lá fora. Ai já, já!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014




Pequena Leonor, anjo missionário neste mundo, onde quer que estejas Aceita e Sorri pois muitas foram as vidas que entusiasmaste e influenciaste como ninguém. És uma princesa em ponto pequenino, eterna menina dos olhos doces e do sorriso contagiante. A tua luta nunca será esquecida, por mais demorado que seja o luto de quem te ama. Afugentaste sempre o mauzão com a força e a determinação de um côderosa que te saía do peito. Fugiste deste mundo mas não desaparecerás nunca. O legado de aprendizes que deixaste será eternamente lembrado e proclamado. Um beijinho princesa, aí em cima. Manda-nos purpurinas do alto, em forma de estrelas. Saberemos que se trata do teu encanto!* 

Que o movimento solidário que se gerou em torno desta menina encantada seja força motivadora e ligeiramente calmante para seus pais que não deveriam passar por tamanha privação. Fica a certeza de uma pegada determinante na mudança do mundo! Obrigado pela filha que deixou este mundo um pouco melhor, mais cheio de bem e sonho! 

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

segunda-feira, 1 de setembro de 2014


por isso, corajosos são aqueles que enfrentam isto de peito cheio. que sabem que vai doer, mas que faz parte de uma luta maior: a luta pelo que se ama. tenho orgulho nos que, mesmo quando se sentem a rasgar por todos os lados, não param. vão em frente, correm, lutam. longe ou perto, são fortes. mesmo nos silêncios, não baixam os braços. mesmo no meio do caos, não deixam de querer. orgulho nos que sabem fechar o passado, porque querem um futuro livre. orgulho nos que se rasgam, mas que sabem que é apenas uma ferida ligeira. parece grande agora, mas daqui a uns dias, com o novo ar, cicatriza depressa. a marca vai ficar para sempre? claro. e ainda bem: porque é a maior prova do quanto se lutou por amor. é a marca da bravura de acreditar... [momentos]

sexta-feira, 29 de agosto de 2014


na esperança, sentimos que vamos ser felizes muitos anos. na certeza, tem-se o sossego de sentir que a procura terminou - não há mais ninguém para encontrar. 
na esperança, confiamos que aquele é o caminho certo. na certeza, construímos o caminho certo. 
na esperança fazemos planos degrau a degrau. na certeza, queremos tudo já! 
na esperança tem-se medo de perder. na certeza, tem-se medo de não conseguir. 
na esperança, quer-se uma vida cheia de coisas novas. na certeza, quer-se apenas segurar a vida que já se tem. 
na esperança, espera-se. na certeza, é certo.
na esperança, temos um permanente sobressalto com o futuro. na certeza, temos uma necessidade sôfrega de partilhar o futuro.| [momentos]

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

terça-feira, 26 de agosto de 2014

É!


(...) e tem dado jeito, muito jeito, saber, por amor, esticar os limites. os limites do perdão, do querer, os limites da angustia que se suporta, da vontade férrea que segura. o saber dar, não para receber, mas pelo prazer de fazer alguém feliz em nós. porque aqui trocamos os amores racionais pelas paixões loucas. trocamos a segurança de uma relação, pela constante inquietude de uma alma gémea. trocamos o sono calmo, pela insónia junta em conversas tontas. trocamos o conforto do pijama da noite, pelo toque do corpo nu da manhã. porque rimos depois do choro, amamos em vez do sexo, gritamos depois do abraço, porque magoamos, antes de cuidar. sim, fazemos tudo ao contrário, fazemos tudo errado, mas no fim tudo certo - porque pode não ter lógica, mas tem uma vontade: viver com quem já está em nós. e se há coisas na vida que se lutam sem limites, o amor tem de ser uma delas. mesmo que corra mal. uma vez. ou duas, ou três. porque, como me disseram baixinho no outro dia: "vai dar tudo certo. e se não der, nós fazemos tudo outra vez." | [momentos]

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Obrigado Rita pela presença sistemática na ausência que é meramente física!


por muito que doa, por muito que magoe, só quando se perguntam as coisas difíceis - e se respondem - se sossega a confiança. e na vida não há mais paz que isso: ver quem nos quer, a enfrentar-nos, a questionar, a ter a coragem de perguntar. não porque não saiba já as respostas, mas apenas porque as precisa de ouvir na nossa boca. sincera.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

FACTO #153


Viver sozinho no início pode parecer desesperador, mas de tanto nadar contra a maré, um dia você aprende a surfar. E te digo que quando esse dia chegar, você nunca mais vai se contentar em ficar na areia. Desse dia em diante só vai servir ter alguém ao seu lado se este estiver disposto a entrar na água com você. |Precisava Escrever|

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Doou o sorriso ao mundo e perdeu o dele.



(...) Não gosto de pensar que o homem que nos conseguiu emocionar à medida que nos ensinava a viver o “carpe diem” perdeu a força para o continuar a cumprir. É estranho, isto de confundir a ficção com a realidade, mas é tão fácil querer confundi-las, hoje, é tão fácil achar que a única homenagem justa ao homem que doou o sorriso ao mundo e perdeu o dele é subirmos todos para o topo das nossas mesas e gritarmos “oh, captain my captain”, para não o deixarmos, nunca, sair daquela sala, que há de ser sempre a nossa memória. |Marta Couto in P3|

"É só para relembrar que a depressão mata!"



Foi esta a frase que uma amiga utilizou no Facebook para demonstrar o seu pesar pela morte de um dos seu actores preferidos. Eu concordo plenamente com ela. A depressão mata até aqueles que julgamos ser os seres humanos mais felizes ao cimo da terra e não, não é uma questão de capricho ou vitimização. Ela existe e faz vítimas, quase sempre as melhores pessoas, as mais criativas, as que têm muito a dar a este mundo mas se sentem, tantas vezes, incompreendidas pelo mesmo. Desta vez levou Robin Williams (não confundir com Robbie) um dos actores com maior versatilidade, pelo qual nutria um carinho especial, dado o sorriso que o seu rosto revelava até quando não sorria. Era detentor de uma simpatia louca e raro foi o filme que protagonizava que não fosse rico em ensinamentos e abordagem de questões pertinentes. Levo para a vida o Patch e o Captain! Se hoje sou como sou, refeita de muitas situações que julguei impossíveis de ultrapassar, muito devo a quem me ofereceu a visualização desses filmes e mais ainda a ele, Robin, que fez parecer tão simples o acto de lutar pelos sonhos, fazer diferente, inspirar vidas e deixar este mundo um pouco melhor! São personagens, dizem. Para mim são inspirações, exemplos, iguais a tantos outros espalhados pelo mundo fora. A diferença é que uma celebridade entra-nos em casa com maior facilidade do que um outro desconhecido qualquer. Para mim serás memorando eterno de que no caminho não vale desistir! Obrigado*

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Actualidade e pertinência!



Não dá mais para ler e ouvir falar da razia a que LFV está a sujeitar a equipa do Benfica. Jesus, que é milagreiro, não pode fazer omeletes sem ovos. Eu nem vou falar da pré-época porque sei que não é determinante de futuro. No entanto, e pela mega-limpeza que está a ser levada a cabo, lá vamos ter nós que desaprender o festejo e a sensação de coração ao rubro. Eu queria estar enganada, muito enganada, mas assim fica difícil! Logo agora que o título de campeão nos cai tão bem... Ter Jesus como treinador conta como suborno aos deuses e santos do futebol? Se não conta, devia!

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Constatações!



Que anormais são estes que, em prol do fanatismo, se acham no direito de aniquilar povos? Para quando o seu controlo e extinção? Desde que me lembro que se fala no terror da Faixa de Gaza. Em lutas desmedidas, em vidas ceifadas colateralmente. Quem protege estes seres humanos que, sem culpa, são privados dos seus direitos mais básicos, como é o direito à vida? Onde paira a justiça? Que mais é preciso acontecer para se providenciar segurança? Temo que a rotina de bombardeamentos e o distanciamento a que acontecem nos endureçam a alma e a preocupação. São eles mas podíamos ser nós! Tem que haver uma solução Humanidade, tem que haver...

I'M FEELING THIS #39



quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Praia com história!




Há muita praia brilhante por este Portugal fora, há... mas esta é a minha praia! É a praia que alberga as histórias felizes e os percalços da minha vida até então. É dotada de uma imensidão que nos dá liberdade. Tem mil e uma maneiras de providenciar o melhor nascer e pôr do sol. Tem esplanadas artísticas, tem romarias tradicionais, tem novos e velhos felizes e uma muralha de gente que apenas deslumbra o poder da natureza. Tem dunas que nos reservam paz e um paredão que esconde os desejos e as aventuras mais secretas. É o melhor sítio do Verão, quando os amigos e a família se encontram reunidos. Eu sou uma pessoa que adora conhecer e deslumbrar-se com as maravilhas que pelo mundo estão escpalhadas... mas a Torreira será sempre a responsável pelo sal da minha vida! É a praia do meu coração... e todos vós a podem conhecer! 'Bora lá?!

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Uma das páginas mais inspiradoras de sempre!



A página Humans of New York, que conta também com um blogue, é uma fonte de inspiração diária. Eu sou mega fã de histórias pessoais. Acredito que só através do conhecimento dos detalhes que caracterizam a vida de cada ser humano é que podemos efectivamente comungar com ele, ligar-nos a ele, entende-lo. A história de cada um não vem estampada no rosto e é esse o grande desafio de conhecermos alguém. Fico deliciada ao ler os "segredos" que ali vão sendo desvendados. Chego até a sentir-me ligada àquelas pessoas. Não restam dúvidas acerca de nos influenciarmos mutuamente, mesmo que a vida não nos faça cruzar fisicamente. À medida que vou conhecendo as histórias de amor e desamor, luta e glória, encontros e desencontros que por lá são apresentadas, vou ganhando mais força e determinação para viver a minha vida, tão cheia de detalhes, tão plena de magia. Há projectos fantásticos! Obrigado Brandon*

domingo, 3 de agosto de 2014

Que dia triste!



Desde que me iniciei nessa coisa do Instagram que acompanho o dia a dia da GrandmaBetty! Nutri por ela, desde sempre, aquele carinho especial. Ela demonstra ser uma idosa toda para a frente, com uma imagem adorável e nem mesmo a batalha contra o cancro a impediu de gozar em pleno os últimos dias da sua vida! Hoje chega ao fim a sua caminhada terrena. Estou triste e ao mesmo tempo grata por um dia lhe ter conhecido a força e a coragem! RIP GrandmaBetty!*

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Bom, bonito e barato! #2




Que iniciativa interessante e criativa! 
Espero poder acompanhar os Prana, já dia 22, numa varanda com vista para o Amor e outros Azares! Quem se junta?

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Bom, bonito e barato!



Apetecível!

terça-feira, 29 de julho de 2014


(...) Espero que apareças e me digas que me amas, baixinho. Sussurra para que mais ninguém oiça. Só eu e tu: parceiros de crimes de cabeceira, amantes condenados a um amor quase épico. Só eu e tu. Volta para mim. |PedRodrigues|

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Alma gémea: já encontraste a tua?!


(...) Quando duas almas gémeas se abraçam, sente-se o alívio imenso de não ter de viver. Não há necessidade, nem desejo, nem pensamento. A sensação é de sermos uma alma no ar que reencontrou a sua casa, que voltou finalmente ao seu lugar, como se o outro corpo fosse o nosso que perdêramos desde a nascença. |MEC|

Que maravilha!




Já aqui mostrei o meu agrado e encanto por este puto de 20 anos que, maravilhosamente bem, interpreta músicas que adoro! Chego a arrepiar-me quando aquele vozeirão é emitido. Mas ontem, a doçura e força deste momento, foi o que mais me marcou. É completamente maravilhoso e faz a alma levitar de tão simples e transcendente que é. Não ganhou o programa mas teve a oportunidade de marcar a vida daqueles que apreciam boas músicas e excelentes interpretações. Que nunca lhe falta a coragem e a ousadia de chegar mais longe. Luís, foi um prazer descobrir-te!

domingo, 27 de julho de 2014

Porque hoje é Domingo!




Come, Thou Fount of every blessing,
Tune my heart to sing Thy grace;
Streams of mercy, never ceasing,
Call for songs of loudest praise.
Teach me some melodious sonnet,
Sung by flaming tongues above.
Praise the mount, I'm fixed upon it,
Mount of Thy unchanging love.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

FACTO #150



FACTO #149


Há pessoas que te tentam mostrar que têm uma óptima vida - ostentam dinheiro e posses, passeiam corpos esbeltos e roupas atraentes, partilham fotos de viagens perfeitas e férias de sonho. Não lhes ligues - sofrem na busca da felicidade que tentam mostrar aos outros.
Há pessoas que te tentam mostrar que têm uma vida desgraçada - mostram azares e desamores, vendem histórias de traição e miséria, sublinham a injustiça com que são tratados pelos outros. Não lhes ligues - sofrem com medo de terem dentro de si mais do que o pouco que mostram valer.
Há pessoas que não te tentam mostrar nada, seguem com as suas vidas simples, fazendo felicidade a cada momento, aproveitando cada situação para sentir e crescer. Observa-as, faz-lhes perguntas, modela-as. Essas são aquelas com que vale mesmo a pena aprender!


terça-feira, 22 de julho de 2014

Recriar a magia da infância!



O Pequeno Príncipe existe e está à espera de visitas, ali para os lados da fronteira entre França/Alemanha. Vamos criar laços com a nossa infância, cativar a nossa meninice, preparar o coração para sermos um pouquinho mais felizes? Acabei de juntar um item à minha "To do list". Maravilha!

quinta-feira, 17 de julho de 2014

FACTO #148


Estarmos preparados para os erros que cometamos dá uma tranquilidade impagável diante da vida porque, na verdade, a perfeição é termos a certeza de que iremos errar e poderemos errar com perfeição, ou seja, na atitude certa. E isso é muito bom. Por isso é que herrar é umano.


terça-feira, 15 de julho de 2014


As críticas negativas, aquelas que são dedos apontados aos defeitos que sabemos que temos, doem. Tentamos mostrar que não, que somos fortes e que nos passam de raspão mas o que é certo é que magoam. Da primeira vez que dizem friamente que tens "problemas emocionais", sem um pingo de compreensão no olhar, dilaceras-te por dentro. Entras num choque de realidade, mesmo que saibas que de alguma verdade se trata, uma vez que o som de tal dureza faz mossa no coração e na alma já desgastados. Questionas-te durante meses que fizeste tu de tão louco, de tão absurdo, de tão surreal para que, à face do que conhecem de ti e do teu passado, te acusem tão injustamente. Questionas os teus, um por um, como se de uma obsessão se tratasse. A resposta, surpreendentemente, é diferente daquela que te querem fazer crer. Mesmo assim não acreditas e precisas de uma amostra considerável, não vá a tua baixa auto-estima e a tua insegurança fazer-te pensar que é tudo amabilidade de quem tem medo que te desfaças em cacos. Mas não é. Por estranho que pareça, os mesmos inquiridos que respondem positivamente são aqueles que fazem críticas a detalhes que querem ver mudados, sim, mas com a particularidade de oferecerem soluções e transbordarem amor, paciência e disponibilidade. Refazes-te, dia após dia, entre obrigatoriedade de registares ganhos e perdas que visam melhoras. Lês e aprendes, conheces e dás a conhecer. Investes em ti e sabes que estás longe, muito longe da perfeição. És mais amarga e desconfiada, mais solitária mas mais feliz, com mais paz e tranquilidade. Mais dependente da família da qual eras independente e independente daqueles que só estão presentes às vezes. Reergues-te. Percebes que não te podes deixar afogar num mar de exigências que se dão num só sentido. Libertas-te do peso do que não serve mais. Até que te voltam a acusar do mesmo. Desta vez não são os olhos sem piedade, é mesmo a voz. Entristece-te novamente a falta de alternativas dadas. Entristece-te uma acusação sem apoio para a mudança. Entristece-te que se crie uma verdade em minutos, sem olhar para o todo de que se tem conhecimento. Já dizia o sábio que só devíamos apostar em críticas positivas. Deitar abaixo todos conseguem... agora ajudar a reerguer, amparar na luta, dar o braço e o peito como apoios para o caminho é que é mais difícil. Não te sentes dilacerada com o comentário porque és uma pessoa bem diferente do que eras, que ao longo do caminho foi ganhando maturidade e discernimento e já não se coloca em causa por tão pouco. Não deixando de te sentires um pouco desiludida e triste, claro está. O sentimento pode ser recíproco, não duvidas, mas há acusações que, com um pouco de amor e cuidado ao serem abordadas, têm tudo para correr bem e surtir efeito. Já o contrário não é tão viável. Sentes-lhe a falta, é um facto, mas ainda estás muito magoada, sem perceberes porque é que preferem sistematicamente acusar-te a apoiar-te. Um dia saberás pequena. Um dia!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

She!



sexta-feira, 4 de julho de 2014

Habemus Bispo!


4 meses depois da dor maior da partida, eis que surge um novo nome para orientar a vida da Diocese Aveirense. Quer dizer, o nome é semelhante, já que é de António que se trata, mas o resto da composição até surge com a particularidade de rimar com Aveiro: António Manuel Moiteiro Ramos. É este o homem que, vindo de Braga onde era auxiliar, foi nomeado por Francisco, o Papa, para continuar a Missão da minha Diocese. Não lhe conheço a garra, nem tão pouco a forma de ser e de estar. Mas tenho esperança. Não é fácil desprender-nos da imagem de D. António Francisco, cujo nosso nome sabia sempre, cujo sorriso acalmava e cujas palavras traziam sempre um carinho à alma mais perdida. Mas, como digo, tenho esperança e aguardo o primeiro contacto. Será recebido com cortesia e entusiasmo próprio das minhas gentes mas com desconfiança inicial, natural daqueles que se tornaram órfãos num auge de evangelização. Que seja uma jornada produtiva esta que se inicia. Vindo de um António, cujo apelido rima com Aveiro, eu espero o melhor. Seja bem vindo senhor Bispo!


segunda-feira, 30 de junho de 2014


Uma dúvida extremamente pertinente! Sabes Pedro, quando alguém nos priva de ser prioridade na sua vida, nunca nos deveríamos sentir corajosos e estoicamente persistentes em esperar... não é que haja mal algum em esperar, só que não ser primeira escolha, daquelas arrebatadoras feita com a pureza do coração, mas antes uma escolha por falta de opções, é humanamente desrespeitoso e cruel... e só não vê nem sente isso quem acredita piamente que o outro se confundiu no caminho que traçou até aqui, esquecendo-se que quando iniciou esse caminho e nos tinha em aberto como opção, tratou de a descartar. Porque havemos nós de penhorar tempo, energia e emoções? É que até mesmo quem se perde de si, quem se perde no caminho e quem se confunde em opções, se não for alguém que dê ouvidos ao orgulho manipulador, depressa se tenta refazer do mal praticado. Falamos, claro está, de quem não anda nesta vida a desperdiçar tempo e oportunidades... porque há também quem se julgue eterno, esquecendo-se que até mesmo a eternidade tem limites, limites esses que nos são completamente alheios e para os quais não contribui, nem nunca contribuirá, o nosso belo querer. Mudemos de foco, se for preciso.

"Alguns infinitos são maiores do que outros!"



sábado, 28 de junho de 2014