sexta-feira, 9 de novembro de 2012

E esta onda de indignação é porquê mesmo?!



Digam-me uma novidade proferida neste discurso. Apontem uma mentira. E, se conseguirem, depois discutimos pontos de vista. A verdade não devia doer tanto, fazer tanta mossa. É sinal que fazemos ouvidos moucos de propósito e preferimos viver de ilusões. É por estas e por outras que sempre agradeci a educação económica que me foi transmitida pelas gerações que me antecederam. Sou bem mais consumista que eles, um pouco mais desorganizada, é um facto. Mas sempre fui somente até onde as minhas possibilidades mo permitiram. As grandes concretizações que foram ocorrendo na minha vida vieram de muita poupança, de muita ginástica mental, de muita criatividade e inteligência para optar pelas soluções mais benéficas. Sim, vivo com estas "preocupações" desde dos 12 anos, altura em que me começaram a atribuir mesadas que tinha de gerir o mais sabiamente possível, sem qualquer hipótese de me darem mais como cedência a caprichos. Hoje em dia, com um salário, mantenho a mesma postura. Ainda vivo em casa dos pais, que ajudam imenso em muitas despesas que acabo por não ter, é certo. Mas o meu ordenado não é gasto até ao último cêntimo. A cada dia que passa é-me transmitida uma consciencialização para os excessos cometidos, excessos estes que podem ser facilmente contornados se nos esforçarmos um pouco para tal. Além de vivermos acima das nossas possibilidades, cultivamos o facilitismo e a cultura do novo, que é como quem diz, já ninguém se preocupa em tirar o máximo partido do que tem. E isto aplica-se não só a todo um materialismo mas também às relações humanas. Não é por acaso que há tamanha falta de entrega entre as pessoas, falta de valores, falta de respeito. "O novo ajuda a resolver, sempre o novo!" Pode ser que esta crise até seja benéfica para ver se a humildade começa a habitar a humanidade... Estou optimista!

6 comentários:

Maggie disse...

sim concordo contigo em tudo e ainda em mais uma coisinha, a humildade, deixamos ha mto de ser humildes e vamos ter que voltar a ser ...

Maggie

Heriwen disse...

Eu aponto duas mentiras:

1- Em Portugal há miséria. 10000 crinças com fome faz parte da definição de miséria.
2- Lavar os dentes com copo é muito mais ecológico, porque a água é quantificada e não desperdiçada com a torneira continuamente aberta.

Quanto ao gastar acima das possibilidades... de facto, ainda há muita gente que o faz.

From now on, please, call me Tinkerbell* disse...

Heriwen a defesa do meio ambiente, em casos como este de sustentabilidade, ensina-nos e muito a poupar, a rentabilizar. Se se pode juntar ambas as coisas, priceless! :)
Quanto a esse número de crianças a passar fome... não duvido. No entanto, será sempre uma boa ideia averiguar como vivem. Não que a culpa seja delas... mas eu moro próxima de um bairro que muita gente passa fome e não abdica de tv por cabo, nem internet, nem altos sofás ou de re-mobilar a casa de uma forma sistemática. A isto chamo prioridades mal definidas... e contra isso, não há muito que se possa fazer! Mas sim, há miséria... disso não duvido!

Inês disse...

Para mim o problema é a presidente do BA dizer que não há miséria.
Nem parece vindo dela, o número de pessoas que recorre ao BA está a aumentar a olhos vistos.A diferença entre a Grécia e nós,é que a nossa miséria é escondida,mas cada vez menos.Basta ver as notícias.
Daí eu entender a indignação e estar indignada.

From now on, please, call me Tinkerbell* disse...

Fazendo eu parte de movimentos solidários, nem sempre a recorrência ao banco alimentar ou às cáritas, ou a outros que tais tem a ver com falta de dinheiro para comer. Não podemos fazer uma ligação directa, até porque muita gente recorre a fontes de fornecimento alimentar para não ter que ter gastos nessa parte, continuando a não abdicar de certas excessos! Mas sim, há miséria pura, que é a mais escondida... e depois há a falsa miséria que advém de um desgoverno de gastos! Infelizmente. Há vezes que nos devemos preocupar mais em ensinar a viver e a controlar do que a dar somente! Vou trabalhando por cá, no que posso! :) *

Inês disse...

Concordo contigo, mas as palavras ficaram muito mal.
Dai eu achar que a devia ser feito um pedido de deculpas publico, entender o porquê da petição.
Se ela tivesse dito que sim existe miséria mas que muita se encontra escondida isto não acontecia.
Estas palavras fazem toda a diferença.
A nossa miséria está escondida mas todos os dias aumenta, todos os dias se vai tornando mais visivel.